A NOITE EM QUE MEU TIO VOLTOU

 

 

 

Quando eu tinha aproximadamente 10 anos, tínhamos acabado de mudar para uma nova casa, a casa era grande e muito bonita, para vocês terem uma idéia o meu quarto dava dois do da minha mãe. Ficava quase o dia inteiro dentro dele jogando videogame e ouvindo som, nunca havia acontecido nada de estranho, até que quando escurecia e eu ia dormir, acordava com alguém me chamando. Sempre quando acordava não encontrava ninguém, pensava que era meu irmão mais novo enchendo o saco e todas as noites se repetia a mesma coisa.

Com o passar do tempo as coisas foram piorando um pouco mais, além de ouvir me chamarem, sentia gente me balançando para acordar, no dia seguinte de manhã, perguntei a meu irmão se ele havia me chamado à noite e ele respondeu que não que dormiu que nem uma pedra.

Então, fui perguntar à minha mãe se ela havia me chamado à noite e ela respondeu que não, perguntei a meu padrasto e ele respondeu que não.

Passou mais algum tempo e as coisas foram piorando, porque um dia eu acordei para ir até o banheiro, e quando levantei me dei de cara com um cara vestido de branco, então voltei correndo para cama e me cobri por inteiro.

Não sei como explicar direito, mas comecei a sentir falta de ar, e então tentei me mexer para tirar a coberta de cima de mim, mas não conseguia me mover, comecei a gritar, e ninguém ouvia, até que consegui tirar a coberta e quando olhei para minha frente não havia mais ninguém.

No dia seguinte na parte da manhã, fui contar para minha mãe o que havia acontecido, ninguém em casa acreditou em mim, meu irmão foi o único que me deu ouvidos.

Então passa o dia, e vou me deitar, durante a madrugada, sinto uns petelecos na orelha, e mando meu irmão parar, mas não parava, foi quando me irritei e virei com tudo para dar um soco nele, mas para meu azar não era ele, e eu acertei o soco na escrivaninha.

Então na minha frente começou a aparecer um monte de bolinhas brancas que foram se formando em uma bola maior que estava na porta, e aquela bola ia crescendo cada vez mais, até que ela explodiu e sumiu por algum tempo. Eu não conseguia me mexer, foi então que apareceu um homem todo de branco com o cabelo comprido, não dava para ver o seu rosto, mas vi que em sua mão havia um livro preto com uma cruz de ponta cabeça. Na hora eu gritei e meu irmão acordou, mas só que em fração de segundos o homem olhou para o meu irmão e ele caiu dormindo de novo e então comecei a gritar. A minha garganta doía, eu estava gritando ao máximo, muito alto, mas ninguém ouvia.

Aquele homem olhou para mim, e me disse telepaticamente "não tenhas medo eu vim para te ajudar, mas acho que não estás preparado para aceitar a realidade, prometo que futuramente voltarei" continuei gritando, meu padrasto ouviu e veio correndo para o quarto, e quando entrou ele atravessou o corpo daquele homem que estava na porta e acendeu a luz.

Me perguntou o que havia acontecido e eu lhe pedi para apagar a luz, ele então apagou e eu não vi mais nada, só sei que nesta noite fui dormir no quarto da minha mãe junto com ela.

Foram se passando os anos e quando completei 15 anos, em um centro espírita vi aquele mesmo homem, que finalmente me mostrou o seu rosto, o seu nome e Renato e ele é o meu tio, irmão da minha mãe.

Hoje estou prestes a completar 19 anos e converso com ele quase que todos os dias, e em muitas decisões que tenho que tomar em minha vida ele me ajuda.

Ele ainda aparece durante a noite, e de dia também, parece que esta vivo, pois converso mais com ele do que com meus amigos, aprendi a não ter medo dele, e nem dos outros espíritos que vejo, pois sou hoje um médium, que psicografo, ouço, vejo e falo com os espíritos com a maior tranqüilidade do mundo

 

Juan - São Paulo - S.P.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1