O ATAQUE DO LOBISOMEM

"Criaturas Fantásticas circulam pelo nosso mundo, só não sabemos quando vai ser sua próxima aparição ou ataque!"

Meu nome é Artur, moro em Osasco - SP, e estou enviando este relato, pois li outro dia no site um outro chamado "A Hora do Lobisomem", e achei interessante também enviar o que eu presenciei a respeito.

O fato que vou relatar à seguir eu presenciei. Fantástico ou não, eu vi as provas.

Osasco (Coordenadas: Latitude, Longitude <23°31'46.00" S, 46°46'40.20" O> é um município ao lado da metrópole de São Paulo, e possuia antigamente muitas indústrias, mas devido às altas taxas de impostos que a prefeitura estava cobrando, e também à existência do incentivo para implantação de empresas e industrias no interior, muitas sairam de Osasco e se mudaram para outras cidades.

Uma empresa que estava praticamente paralisada naquela época, era a Cobrasma, uma famosa indústria que fabricava peças mecânicas para trens e para a industria automobilistica.

O ano era 1995, e as obras de construção do Osasco Plaza Shopping, na cidade de Osasco - SP, estavam sendo finalizadas, motivo pelo qual o trânsito estava mais enrolado que o normal e faltavam vagas para estacionamento.

Devido à falta de vagas para se estacionar os veículos, e como um parte do pátio da Cobrasma estava desativado, resolveram transformá-lo em um estacionamento, pelo menos por algum tempo.

Essa área que se transformou em estacionamento ficava próxima à linha do trem, e era uma área meio abandonada, com muitas árvores e algum mato ao redor, mas servia para sua finalidade. Inclusive quem morava pela região começou a deixar seus carros pernoitarem ali, devido ao preço que era mais convidativo do que os outros estacionamento existentes.

Certo dia, em um sábado, me desloquei até o centro de Osasco para ir fazer compras em algumas lojas, e como havia o problema para estacionar, deixei meu carro no estacionamento citado, que ficava no pátio da Cobrasma.

Fui às lojas e após algum tempo voltei para buscar meu carro.
Quando cheguei no estaciomento, vi um certo tumulto entre algumas pessoas, sendo uma delas a que tomava conta do estacionamento.

Eu vi um rapaz com algumas fotos conversando com o segurança do estacionamento, dizendo mais ou menos isso:

- (Rapaz): E agora, como isso será resolvido?
- (Segurança): Não tem problema, o carro já foi levado, mas tem as fotos.
- (Rapaz): Mas será que vão pagar?
- (Segurança): Acho que sim, pois tem provas.

E ficaram ali conversando, sendo que eu não pude evitar de ouvir.

Então quando o rapaz foi embora, eu perguntei o que havia acontecido, e foi quando o segurança contou uma história incrível, a qual eu iria comprovar através dos fatos:

Ele disse que alguns carros passavam a noite no estacionamento, sendo que na manhã desse dia (sábado), quando ele chegou até o estaciomento, um homem o procurou dizendo que o seu carro estava com a frente toda destruída, e estava assustado.
Então ele contou o seguinte:

Disse que ele foi ver o carro, que era um Vectra, e quando ele chegou até o local onde ele estava estacionado ele não acreditou quando viu o veículo.

Que o carro estava com "rasgos" no capô, como se tivessem sidos feitos por mordidas, e que o pára-choque estava todo destroçado, com pedaços arrancados, sendo que os pedaços estavam no chão, ao lado.
Era como se alguma coisa houvesse atacado o carro com unhas e dentes, e houvesse mastigado o capô e comido partes do pára-choque.

Que haviam pedaços da frente do carro espalhados todos ao redor do veículo.
Também comentou que o mais incrível, é que ao lado do carro, cujo chão era de terra, haviam marcas de pegadas de algum animal, e pelo jeito era bem grande e pesado, pois as pegadas eram grandes e profundas.

Eu fiquei pasmo com a história, e então ele me disse: Quer ver? E eu disse: O que?

Então ele me mostrou as fotos. As fotos mostravam nitidamente o carro com o capô todo rasgado e o pára-choque destruído. As fotos seriam usadas como provas. Depois ele me chamou para ir até o local onde o Vectra estava estacionado, que era no fundo do estacionamento perto de várias árvores.

Quando chguei lá, vi muitos destroços no chão, como partes plásticas de pára-choque e alguns pedaços de metal.
E a parte mais incrível: Eu vi as pegadas da "coisa" que provavelmente fez aquilo.
Eram como pegadas de cachorro, bem grandes e fundas na terra. Eram do diâmetro de um pé humano, mas com vários dedos em volta, e afundados na terra, como se tivesse muito peso.

Perguntei ao segurança se a noite não ficava ninguém ali, e ele disse que não, que só viram pela manhã.
E também perguntei o que poderia ter feito aquilo, e ele me disse meio assustado: Você acredita em Lobisomem?
Eu nem sabia o que dizer, e ele complementou dizendo:

Rapaz, eu vim do interior, e meu pai e o meu avô sempre me contaram histórias estranhas sobre esse tipo de bicho que surgia em noites de lua cheia e até atacava pessoas, matando algumas.
Eles me contavam com tanta seriedade que eu não acho que estavam mentindo, e muitas pessoas disseram que já comprovaram a existência dessa criatura.
E eu acredito pelo que eu vi aqui que só pode ser isso, pois ontem a noite foi "Lua Cheia".

Eu agradeci por ele ter me mostrado tudo aquilo, me despedi e fui embora, mas aquilo me deixou perplexo, pois eu vi as fotos do carro com a frente destruída, os pedaços no chão e as marcas das pegadas em volta do local.

Eu não posso dizer que foi um Lobisomem, mas após tantos relatos e de pessoas que já contaram fatos sobre essa criatura, e com base no que vi, eu posso dizer que pode ter sido, mas que eu não gostaria de ter estado lá no momento do ataque para ter descoberto.

 

Artur - Osasco - SP